A fé do tamanho do grão de mostarda.

Meditando nesse versículo, não há como não lembrar da historia e da amizade entre Davi e Jonatas.

Davi era um garoto que andava por detrás das malhadas, e depois de ter vitória sobre o gigante Golias, se tornou conhecido entre o povo de Israel. A popularidade de Davi fez surgir no coração de Saul um desejo de vê-lo distante do seu povo, e por essa razão Davi precisou fugir muitas vezes do Rei, pois este desejava matá-lo.  

Diante das circunstancias difíceis que surgem para romper relacionamentos e alianças, até onde estamos dispostos a nos arriscar para preservar o que Deus nos entregou ? Em uma geração aonde tudo tem se tornado descartável, o quanto você temos lutado para ser leal a um amigo? O quanto estamos dispostos a negar o nosso Eu para viver algo genuíno e duradouro ? 

Mesmo sofrendo ameaças por parte do Rei Saul,  Davi não deixou de confiar ou desejar a presença do seu amigo Jonatas que era filho de Saul. Por outro lado, mesmo depois de entender a revelação de que Davi havia sido escolhido por Deus para ser Rei em Israel, Jonatas continuou preservando a aliança com seu amigo e não o olhou como um rival  ou inimigo do seu pai, mas manteve até o fim a sua lealdade e amor.  

Em uma geração extremamente competitiva, onde a necessidade de sempre chegar primeiro  em algum lugar e de estar nos primeiros lugares, muitos relacionamentos tem sido comprometidos, porque o desejo pelas posições tem tomado o primeiro lugar nos corações . 

Nas situações mais difíceis que surgem na nossa trajetória os relacionamentos são provados. Seja com nossos familiares, amigos, líderes religiosos ou no ambiente de trabalho.  Alguns são rompidos pelo próprio Ego, outros são fortalecidos ainda mais e revelam aonde estão fundamentados como diz a palavra em provérbios 17.7 : O amigo ama em todo o tempo; e para a angústia nasce o irmão. 

 Mas o quanto estamos dispostos a nos arriscar por uma aliança?  Deus nos chama para expressar o seu amor em todas as situações. Assim como Ele nos ama com seu  amor leal, devemos refletir e transbordar o que recebemos da sua parte nos nossos relacionamentos.   

Deus entregou seu próprio filho  por amor a nós (João 3.16). Essa foi e sempre será a maior demonstração de amizade que podemos ter. Assim como Jesus se entregou por obediência ao Pai e para agradá-lo, devemos também estar dispostos a sacrificar pelos nossos amigos. Mas só saberemos ser leais com os que nos cercam, quando formos leais a nossa aliança com Deus. Pois a maneira que nos relacionamos com Deus vai refletir na maneira como nos posicionamos com os outros.  

Em um mundo de infidelidade Deus sempre vai ser revelar com um amor imensurável para nos ensinar a amar o nosso próximo como Ele nos ama. 

” Faze o teu rosto resplandecer sobre o teu servo; salva-me por teu amor leal.” Salmos 31:16.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp