Não há como falar sobre crescimento espiritual sem falar sobre oração, pois não há um crescimento significativo para quem não ora. Em Mt 27. 51 a palavra declara que o véu foi rasgado de alto a baixo, a partir de então, passamos a ter acesso ao Pai e podemos desfrutar como filhos da sua presença, mas por que para muitos cristãos é tão difícil manter uma vida constante de oração? Por que para muitos orar é uma obrigação e não um prazer?
Jesus deixou um modelo de oração em Mt.6. 9-13 que começa dizendo: Pai nosso que estás no céu! Em primeiro lugar é necessário ter a identidade de filho restaurada, em vários momentos da sua trajetória a palavra nos mostra que Jesus se separou dos discípulos e da multidão para orar, e pelo modelo que Ele nos deixou podemos entender que em todos os momentos Ele não foi a Deus como alguém distante, mas sim ao seu Pai, pois era firmado nessa verdade. (MT.3.17)


Como filhos, devemos rasgar o nosso coração, e com sinceridade precisamos reconhecer o quanto negligenciamos e deixamos de estar nesse lugar. Para crescer espiritualmente é necessário alinhar a vida de oração ao motivo principal pelo qual devemos entregar o nosso tempo enquanto entramos nesse acesso, a razão inicial  de toda oração deve ser a fome e a sede pela presença do Pai. 
No Sl 37.4 Davi escreveu ”  Deleita-te também no Senhor, e te concederá os desejos do teu coração.” conhecido como o homem segundo o coração de Deus, o salmista  nos mostra que Deus concede os desejos daqueles que primeiro tem prazer e contentamento pela sua presença, mas na maioria das vezes invertemos a ordem nessa equação, nos contentamos em celebrar uma aparente vitória quando deveríamos ter continuamente o gozo no espírito, mas aquele que sabe apreciar e se satisfazer em Deus não tem a oração como um amuleto para receber uma resposta ou ter uma dificuldade resolvida, ou mesmo tem o foco de oração apenas como suporte para os seus compromissos ministeriais.

Davi outra vez declara no Sl. 73.28  Eu, porém, tenho por felicidade estar na presença de Deus “. Apesar dos perigos  e perseguições constantes o primeiro motivo de oração de Davi era a alegria pela presença de Deus. Encontramos então a resposta do porque tantos são inconstantes e pouco crescem na espiritualidade, a oração para eles é conhecida como um tempo de petição para as necessidades, para outros é um socorro em um tempo de batalhas travadas mas logo depois abandonam, e quando não há um desejo ardente pela oração não há um relacionamento com Deus. 
Por essa razão é necessário deixar um pouco de lado  todos os outros motivos pelo qual oramos e precisamos com honestidade clamar ao Pai por um coração que deseja orar porque quer desesperadamente se relacionar com Ele, se não há vontade por oração esse é o primeiro motivo pelo qual devemos entrar no acesso ao Pai pedindo: Me dá um coração que deseja orar. 
Porque devemos orar assim? Simplesmente porque orar é se relacionar, é falar com a pessoa certa, é desfrutar do céu estando na terra, é ter a cada dia o espirito carimbado pela verdade que sai da boca de Deus, é ter a paz que excede todo o entendimento mesmo estado em guerra, é celebrar a vitória antecipada porque temos a certeza de quem está conosco.

Quando Davi escreveu o Salmo 63 estava no deserto de Judá, no vsc 1. ele começa dizendo Ó Deus, tu és o meu Deus, cedo te buscarei; a minha alma tem sede de ti; a minha carne te deseja muito em uma terra seca e cansada, onde não há água. O deserto não roubou de Davi  a fome pela presença, o seu coração estava queimando por mais de Deus  muito mais do que o calor do ambiente que consumia a sua carne. 
No vsc 2. ele declara “Para ver a tua força e a tua glória, como te vi no santuário.” somente o homem que tem uma vida constante de oração vê a glória de Deus, e as experiências no secreto são o maior combustível para permanecer nesse lugar, pois orar somente para ter respostas para os problemas revela a natureza de alguém que se move pelas circunstancias terrenas, mas quem anela por ver a força e a glória de Deus se relaciona com o que é eterno.
Podemos ter Davi como exemplo de alguém como coração apaixonado pela presença de Deus, por isso orava constantemente, se não temos ainda esse coração, esse deve ser o primeiro motivo pelo qual devemos clamar: Pai me dá um coração que deseja orar, mas não somente isso, batiza-me com prazer em orar até que haja contentamento e satisfação em se relacionar contigo por meio da oração. 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp